Falar da atividade policial é sempre motivo de polemica e discussões, pois estamos diante de duas vertentes: Uma que enxerga o policial como repressor e agressivo, e outra que os veem como heróis.

Mas existe algo que não há como mudar, que são as estatísticas:

A policia Brasileira é a que mais morre no mundo, em media são 490 policiais mortos por ano. O que nos da em 20 anos, o efetivo inteiro da Policia militar do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul.

images

Outro aspecto importante são as condições de trabalho dos policiais, em uma pesquisa rápida com alguns policiais de estados diferentes, elencamos as principais dificuldades encontradas na atividade laboral.

Impunidade: A maioria dos indivíduos que a policia prende, tem no mínimo três passagens pela policia.

De fato, se trata de um papel de “enxugar o gelo”, a policia se arrisca, atua, flagra, detém e no outro dia a justiça solta. O individuo volta pra sociedade e comete o mesmo crime. Essa cultura de impunidade tem sido a mãe da reincidência.

Pressão no ambiente de trabalho: É uma vida resumida em trabalhar, entre a cruz e a espada. Qualquer atitude minimamente errada, o policial perde sua vida, sua liberdade ou sua farda. São poucos minutos para pensar, agir e decidir sobre a questão. Muitas vezes o policial age corretamente, e mesmo assim, na audiência de custodia pode ser denunciado, e preso, então a policia arca com todos os custos, e sem uma retaguarda jurídica do Estado.

 Como disse o SAMUEL SILVA LIRA, 3º Sargento da Polícia Militar de Roraima, “o delegado, o promotor e o juiz dirá a esse herói: “você cometeu abuso de autoridade”, “não aplicou a lei corretamente”, “a jurisprudência firmada nos tribunais pátrios não
entende assim” e “por isso será condenado a perda da função e da liberdade”; por sua vez a sociedade dirá “tu és bandido”, “não merece vestir essa farda”, “tens que ser preso! ”.

Condições de trabalho: Já imaginou um policial trocando tiro com um bandido, e seu colete a prova de balas vencido? Imagina só a policia ter que fazer “vaquinha” pra colocar gasolina, ou trocar o óleo da viatura pra poder trabalhar? Imagina não ter nem material básico de higiene? Pois bem, isso é mais comum do que se imagina, aliás, trata-se de algo cotidiano.

No dia 11-06-2017 a UOL, lançou uma nota, dizendo que faz 2 anos que a policia de São Paulo não ganha viaturas novas, obrigando a fazer o patrulhamento a pé.

Outro ponto analisado são as condições das armas dos policiais.

Essa sem duvida é a maior de todas as reclamações.

Os policias saem pra trabalhar, sobem o morro pra trocar tiro com bandido, com uma arma Taurus, que tem fama de falhar ou disparar sozinha, enquanto deparam-se com criminosos, muitas vezes menores com fuzil e metralhadora. A função da policia é defender a sociedade, conter o caos e manter a ordem, a diferença de armamento com os bandidos é tão gritante, que o policial arrisca a própria vida, pra poder defender a sociedade.

Mesmo diante de todas essas dificuldades, o policial honesto, sai da sua casa pra trabalhar, convive com a  impunidade, e no meio do caos e da falência e do desalento e da desmoralização do sistema prisional.

Li um texto uma vez, que diante de todas essas colocações acima, surgem três tipos de policiais:

1 – os que ignoram o sistema e continuam fazendo seu trabalho normalmente

 2 – os que se corrompem e passam a compactuar com a criminalidade

3 – os que passam a fazer justiça com as próprias mãos.

Será mesmo que a policia é a nossa inimiga? Será que diante de todas as colocações, ela age de forma repressiva e agressiva, ou apenas ela está apenas tentando sobreviver?

tropa-de-elite-20101013151858

Referências:

APRA (ASSOCIAÇÃO DE PRAÇAS DO ESTADO DO PARANÁ). A cada 17hs um policial morre no Brasil- Dados 2016. Disponível em:
<http://www.aprapr.org.br/2017/01/14/a-cada-17hs-um-policial-morre-no-brasil/. Acesso em: 27 júlio. 2017.
JUS.COM.BR. 80% (?) dos condenados a pena de prisão são reincidentes. Disponível em:
<https://jus.com.br/artigos/21439/80-dos-condenados-a-pena-de-prisao-sao-reincidentes. Acesso em: 27 julho. 2017.

Anúncios